Clicky adiciona suporte as tags de campanha do Analytics

Clicky - Relatório de campanha

Finalmente, o Clicky adicionou suporte ao acompanhamento de campanhas usando os mesmos parâmetros do Google Analytics, era de se esperar que isso acontecesse, mais cedo ou mais tarde, uma vez que muitas pessoas usam os dois juntos.

O Google Analytics é ótimo para análises mais profundas de comportamento, porém, sua informação só é confiável depois de 36 horas, o que torna verificações de curto prazo impraticáveis.

Já o Clicky, com suas estatísticas em tempo real ajudam a descobrir coisas enquanto estavam acontecendo, permitindo que sejamos muito mais ágeis nas nossas tomadas de decisões.

Verifico os dados no Clicky mais vezes que no Analytics, que só tenho usado para análises mais profundas.

Antes, o acompanhamento de campanhas com o Clicky já era possível, mas era, no mínimo, complicada de fazer, pois tínhamos que configurar cada uma das campanhas no painel do Clicky. Agora, é tão simples quanto criar um link, mais simples ainda, sendo os mesmos parâmetros do Analytics, pois muitos já usam os links de campnhas com estes parâmetros.

Se o Clicky, que nasceu para ser uma ferramenta de estatística em tempo real, continuar a adicionar recursos no ritmo que vem fazendo, vai acabar se tornando um substituto definitivo para o Google Analytics e não será mais necessário ter os dois ao mesmo tempo. Se bem que, para a maioria dos usuários, o Clicky já dá muito mais informações do que irão usar em qualquer análise.


Google Caffeine em Janeiro

A fase de testes acabou, hora de começar a colocar para funcionar. O Caffeine já está ativo em um dos Datacenters do Google (que devem divulgar o IP, para quem quiser continuar testando). E, só depois das festas do final de ano que deve ser expandido para todos os datacenters.

Back in August we mentioned a developer preview of Caffeine, which is new technology that improves our indexing infrastructure. The feedback on Caffeine has been very positive, so we’re ready to move from the developer preview to the next stage of the roll out: going live with Caffeine at one data center. This means that a small percentage of Google’s users will benefit from the technology behind Caffeine in their regular searches.

Link: Matt Cutts: Gadgets, Google, and SEO

Se acessar o Developer Preview, agora, vai receber a mensagem:

We appreciate all the feedback from people who searched on our Caffeine sandbox.

Based on the success we’ve seen, we believe Caffeine is ready for a larger audience. Soon we will activate Caffeine more widely, beginning with one data center. This sandbox is no longer necessary and has been retired, but we appreciate the testing and positive input that webmasters and publishers have given.

Link: Caffeine Sandbox

O que muda com o Google Caffeine?

Podemos esperar algumas mudanças pelo que pode ser visto no Sandbox, como, por exemplo:

  • Mais velocidade – Esse é um dos pilares do Caffine, ele é mais rápido para indexar e processar as consultas, em alguns casos chegando ao dobro da velocidade do algoritmo atual. Será uma grande ajuda para o Google conseguir lidar com os dados do Twitter, por exemplo.
  • Maior competição – Com mais velocidade, o índice vai crescer muito, trazendo mais competição, principalmente para as palavras “head”.
  • Não é tão link centered – Mesmo que links ainda sejam uma parte importante do algoritmo de classificação, o Google vem diminuindo cada vez mais sua influência, tendo, inclusive, removido esta informação do Google Webmaster Tools. O Caffeine dá mais ênfase a essa mudança, mostrando páginas com poucos links em posições um pouco melhores.
  • Universal results mais “misturados” – Ao invés de colocar resultados por imagens, vídeos e notícias no topo, esses elementos vão para o meio da SERP, o que volta a aumentar a força dos primeiros resultados e deve reduzir a distração em relação aos anúncios do topo da página.
  • Mais Universal results – Apesar de estarem mais “misturados”, aparecem com mais freqüência, ocupando quase o dobro do espaço que ocupa hoje.
  • Resultados mais “sociais” – Os resultados do Google sempre foram muito centrados em informações (ao contrário do Yahoo, por exemplo, que é mais focado na área comercial), porém, no Caffeine as coisas parecem mudar um pouco, principalmente para compartilhamento de mídia (com um belo boost para o Youtube).

O que eu preciso fazer para me preparar para o Caffeine?

Se você segue os princípios básicos de SEO, não há muito com o que se preocupar, sites bem construídos, com SEO bem planejado e bom conteúdo, continuam ranqueando bem, mas existem algumas coisas que podem ajudar a melhorar a posição do seu site no Caffeine, como:

  • Maior interação social – Se seu plano de mídias sociais está na gaveta até hoje (ou se é um post-it, que está mais na moda), é hora de começar a pensar em colocá-lo em prática.
  • Maior foco em on-page SEO – Quando links perdem a força, o SEO das páginas e do site como um todo ganham força, é hora de parar para olhar o que está fazendo de errado e certo.
  • Continue fazendo o que faz bem – Quase nada do que é bom para o algoritmo atual passou a ser ruim, algumas coisas perderam força, outras ganharam, mas na média o que ajudava no posicionamento, continuará ajudando.
  • Mais atenção para “long-tail” – Se com todo hype do long-tail, você ainda não começou a prestar atenção nos termos de busca com mais de uma palavra, não tem mais como não fazer. Head Shot só são bons para dizer como você é um bom SEO, para tráfego e dinheiro, long-tail é muito melhor. Como eu disse, boa parte do tráfego é gerado por essas consultas e isso vai ficar muito mais evidente com o Caffeine.


Aumente seu tráfego usando palavras que seu site já está indexado

Analytics (Wiki Commons)

Analytics (Wiki Commons)

Faz parte da estratégia de SEO de qualquer site pesquisar novas palavras chaves para gerar conteúdo com o objetivo de aumentar o tráfego para o site que está sendo otimizado. Porém uma coisa que é muito esquecida é de otimizar o site para palavras chaves que já estão enviando tráfego orgânico. É comum acabar com um posicionamento mediano para palavras chaves relacionadas as palavras chaves que estamos otimizando e gerar mais tráfego a partir destas palavras pode ser mais fácil do que começar tudo novamente para uma palavra que o site ainda não esteja indexado.

Descobrindo as palavras chaves para otimizar

O Analytics é uma fonte incrível de informações sobre palavras chaves para as quais o site já está trazendo tráfego, porém avaliar cada uma das palavras no relatório e saber quais precisam de pouca coisa para começarem a trazer mais tráfego é uma tarefa bem cansativa, principalmente, em sites que posicionam bem para muitas palavras chaves.

Porém o Analytics é extremamente flexível e permite que muita coisa seja adaptada para melhor nos atender. Basta que saibamos aonde procurar. Recentemente, o Google passou a informar a posição que o site está na URL do clique, que vem no referrer da visita vinda do Google. Juntando essa informação com a flexibilidade do Analytics, não tardou surgirem tutoriais para colocar a posição no resultado de pesquisa no relatório de palavras chaves, utilizando os filtros do Analytics.

Quais palavras chaves escolher para otimizar?

As palavras chaves que são diretamente relacionada ao tráfego que é interessante para seu site, já deveria estar no radar e sendo otimizadas, mas com as informações disponíveis no Analytics, depois da aplicação do filtro, passamos a ter um novo horizonte de palavras chaves que podem ser otimizadas, com um pouco menos de dificuldade e que podem render um tráfego interessante. Após alguns dias com o filtro ativado, basta selecionar as palavras que aparecem da 11ª à 20ª posição (você pode ir só até a 15ª, se forem muitas palavras).

Uma vez selecionadas as palavras, basta colocar na ferramenta de palavras chaves do Google para ter uma estimativa do tráfego disponível para cada palavras (lembre-se de alterar o idioma para português, país para Brasil e correspondência para exata). Ordene pelo número de consultas, usando as com mais consultas (ou comece pelas menores, como sugerido pelo Custódio) e com melhor posição, na segunda página, para começar sua otimização.

Como otimizar essas palavras chaves?

Agora que já sabemos as palavras chaves que podemos trazer para a primeira página, com um pouco menos de trabalho, basta seguir os passos normais para otimizar as palavras, porém o ponto de partida será a página que já recebe tráfego para a palavra chave escolhida. Por isso mesmo, alguns cuidados precisam ser tomados com essas páginas:

  • Provavelmente, elas as páginas já estão nas primeiras posições para outras palavras chaves, não queremos perder isso. Em alguns casos será melhor perder esta vantagem e começar uma nova página do que arriscar alterar uma posição que já estava boa.
  • Se a página onde o visitante da palavra chave chegar for muito divergente da palavra chave, vale mais a pena começar outra página. Já que algumas vezes fica até difícil explicar porque uma determinada página está aparecendo nos resultados para uma determinada palavra chave.
  • Muitas vezes, alterações pequenas serão o suficiente para posicionar bem a palavra chave que está aparecendo na segunda página. Um parágrafo ou uma frase a mais, um link (interno ou externo) etc…
  • Não seja apressado, deixe algum tempo a página sem mexer, pois pode ser que o próprio algoritmo traga sua página para uma posição melhor, mesmo sem qualquer alteração na página.

Não se esqueça do seu arquivo

Mesmo que já não traga mais visitas como antes, toda página indexada é um bem do seu site, que deve ser usado quando necessário, seja para melhorar a página ou para usá-la com o objetivo de ajudar outra página a melhorar o posicionamento. Além do filtro no Analytics, uma pesquisa no seu site, quando for pensar em um novo texto, pode ajudar a manter o que já foi conquistado e dar a força necessária para a página nova.


Automatizando o acompanhamento de campanhas no WordPress

Engrenagem

Engrenagem

Vimos como acompanhar suas campanhas, usando o Analytics, mas convenhamos, o processo de criar URL a URL para o trackeamento pode se tornar bem chato. Então, aproveitando a flexibilidade do WordPress e das outras duas ferramentas de mídia que costumo usar, resolvi automatizar o processo de criação, para que eu não tenha que ficar fazendo isso na mão e nem perca a informação que preciso. As mídias que considero importantes de acompanhar para um blog são:

  • Feeds RSS
  • Aviso de posts no Twitter
  • Newsletter
  • Adwords
  • Outras mídias pagas

Para as outras mídias pagas, a não ser que o sistema onde está comprando mídia forneça tal funcionalidade, você vai ter que inserir os parâmetros na mão, não tem muita opção. Você poderia criar um redirecionamento especial, que desse um 301 para a página correta já com os parâmetros, mas isso fica para outro artigo. Para as outras mídias, o processo é bem simplificado com o uso de plugins ou mesmo funcionalidades da própria ferramenta:

AdWords

O AdWords já fornece todas as ferramentas necessárias para fazer o acompanhamento pelo Analytics, inclusive, é a melhor integração que existe, o que era de se esperar, já que ambos são do Google. Para que funcione corretamente, basta ir na opção “Minha conta” -> “Preferências de conta” e editar a opção “Monitoramento”, deixando “Codificação automática” como “Sim” Mesmo que sua conta não seja linkada com a conta do Analytics (bem comum para quem gerencia várias contas no Analytics e várias no AdWords), você vai conseguir identificar as campanhas nos relatórios do Analytics. A única opção que não irá é a do valor custo, que só vai para o Analytics se as contas estiverem linkadas.

E-mail (Newsletter)

Para envio de newsletters, uso o excelente MailChimp, que já conta com a criação de dos parâmetros automaticamente para o Analytics, o que é uma mão na roda. O único problema é que todos os links vão com os mesmos parâmetros (um conjunto por newsletter), se você precisa identificar individualmente os links (algo que só é necessário para um e-commerce), terá que continuar criando na mão os parâmetros e não usar a funcionalidade automática do MailChimp. Para usar a criação de parâmetros automática, ao criar uma nova campanha, marque a opção “Add Google Analytics™ tracking to all URLs” e no campo que vai surgir, informe o nome que quer dar para a campanha.

Feeds RSS

Para colocação automática dos parâmetros na URL dos feeds, basta criar um filtro para a URL gerada, quando for um feed, mas já existe um plugin pronto para isso, então, basta instalá-lo. O plugin não tem painel, portanto você precisa editá-lo, caso queira mudar o nome dado a campanha, mídia e origem (e se quiser acrescentar mais alguma coisa). No meu caso, estou usando: [PHP] var $tag = ‘utm_campaign=feed&utm_medium=feed&utm_source=rss’; [/PHP] No plugin, vinha, originalmente, o & e não &, isso me causou alguns problemas com alguns leitores de feed, corrigindo isso, passou a funcionar normalmente.

Twitter

Para notificações no Twitter, uso o excelente Twitter Tools, um plugin que faz quase tudo que você vai precisar em relação ao Twitter para seu blog. Para que os avisos de novos artigos sejam enviados corretamente, com os parâmetros necessários, precisamos fazer uma pequena alteração, já que o plugin original não conta com essa funcionalidade. Mais uma vez, poderia criar um filtro, já que o próprio plugin chama o filtro tweet_blog_post_url, para podermos usar o serviço de diminuição de URL que preferirmos, mas eu não iria criar um plugin só para aplicar essa alteração, achei mais simples altera o plugin, diretamente. Isso traz a desvantagem de perder a alteração, quando atualizar o plugin, mas ganhei algum tempo e menos plugins rodando no blog. Ao editar o plugin, procure pela linha que coloca a URL do artigo na mensagem que será enviada para o Twitter: [PHP] $url = apply_filters(‘tweet_blog_post_url’, get_permalink($post_id)); [/PHP] e acrescente ao final da URL do artigo, os parâmetros que precisa. Se tiver usando permalinks com mod_rewrite (também conhecido como URLs “bonitas”), use: [PHP] $url = apply_filters(‘tweet_blog_post_url’, get_permalink($post_id).’?utm_source=twitter_post&utm_medium=textlink&utm_campaign=twitter’); [/PHP] Se ainda estiver utilizando URLs no formato padrão, com parâmetros (ex: exemplo.com.br/?p=1), use: [PHP] $url = apply_filters(‘tweet_blog_post_url’, get_permalink($post_id).’&utm_source=twitter_post&utm_medium=textlink&utm_campaign=twitter’); [/PHP] A pequena alteração é para evitar confusão com parâmetros já existentes.

Triando conclusões

Agora que você ja pode colocar os parâmetros de acompanhamento, não existe motivo para não fazer, acredite, vale a pena, pois você pode tirar ótimas conclusões para atender melhor o seu público e para converter melhor suas campanhas. Depois de começar a medir, pude verificar uma antiga desconfiança de que leitores de feeds não clicavam em anúncios, porém, apesar do péssimo resultado, foi surpreendente, ver que o percentual de leitores de feeds que vêm ao blog e que clicam em anúncios do AdSense é muito maior do que eu imaginava. Isso faz cair por terra a idéia de que vale a pena ocultar anúncios para leitores assíduos. Outra conclusão interessante é que os artigos relacionados, são realmente úteis, já que um percentual interessante dos leitores de feeds navegam por esse artigos, coisa que eu nunca poderia ter certeza, se não conseguisse analisasse público separado dos demais.


As 3 fases de uma campanha de links

Link

Link

Os links ainda são grandes responsáveis pelo bom posicionamento de uma página, isso é mais verdade, ainda para páginas com pouco conteúdo, como em sites de comércio eletrônico ou páginas de afiliados. Por isso a estratégia de criação de links é uma das partes mais importantes do plano de otimização de um site.

Para montar a estratégia corretamente você pode dividir o plano em 3 etapas, onde cada uma tem características diferenciadas e necessidades diversas. evitando, assim, um erro comum que é buscar somente os melhores links e acabar não conseguindo nenhum.

Como os algorítimos dos mecanismos de busca criaram, de uma forma ou de outra, uma maneira de medir confiança e tentam reproduzir o julgamento que pessoas fariam em relação a qualidade de uma página, podemos fazer uma analogia com as fases do relacionamento humano.

Fase 1: Galinhagem

Nessa altura, o site é novo para os mecanismos de busca, ou acabou de ser lançado ou ainda não tem links suficientes para ser conhecido, é um João Ninguém. O objetivo desta fase é conhecer e ser conhecido, se relacionar com o maior número de sites possíveis, chamar a atenção e ser notado. nesta fase qualquer link é válido.

Não se preocupe com texto âncora, assunto ou PageRank da página onde ficará o link ou qualquer outro parâmetro usado para definir a qualidade de um link.

Algumas idéias para conseguir links nessa fase:

  • Assinaturas em fóruns.
  • Assinaturas em emails enviados para listas de discussão.
  • Comentários em blogs.
  • Notícias submetidas a agregadores de notícias, como o Rec6, diHitt, Linkk, entre outros.
  • Cadastros em diretórios (só não gaste muita energia aqui, o retorno costuma ser pior que nos outros lugares).
  • Alguma troca de links (pouca coisa e, de preferência, no assunto do site)

Nesta fase, preocupe-se em conseguir links para home do site, a linkagem interna só se torna uma preocupação na próxima fase, acredite, conseguir links para a home é muito mais simples do que para as páginas internas.

Fase 2: Namoro

Se você fez um bom trabalho na primeira fase, seu site já terá algumas páginas indexadas e seu site não é mais um completo desconhecido, muito provavelmente, alguns links naturais já estarão aparecendo e eles vão tomar o lugar de conseguir muitos links. Por isso, nesta fase, você já deve começar a apresentar seu site como quer que ele seja conhecido, para que a próxima fase transcorra como esperado.

Nesta fase, você deve se concentrar em criar links com um pouco mais atenção aos detalhes, como assunto da página onde estará o link (PageRank, no geral, não deve ser um fator a ser considerado, nem nessa fase, pois os sites que possuem PR 2 hoje, provavelmente, terão 5 ou 6 amanhã). Mas já é hora de começar a se preocupar com links para as páginas internas do site, se o trabalho na fase 1 foi bem feito, você não precisa mais se preocupar com links para a home em grande quantidade, vai diminuir cada vez mais essa preocupação, quanto mais avança na fase 2.

Algumas sugestões para conseguir links nesta fase:

  • Os mesmos lugares da fase 1 permanecem válidos, com exceção dos diretórios, que você não vai mais pensar neles, a não ser que exista ou surja algum muito específico para seu nicho, que não tenha sido explorado, ainda.
  • Posts em blogs, agora é hora de começar a figurar no conteúdo principal dos blogs, mesmo mantendo a criação de links em comentários.
  • Sites relacionados ao seu assunto que não sejam concorrentes (se bem que se os concorrentes toparem, seria ótimo).

Fase 3: Casamento

É hora de fechar com chave de ouro, essa fase durará para o resto da vida do site. Nesta fase, você já estará disputando as primeiras posições para os termos que lhe interessam, agora, você só deve se concentrar em encontrar links muito bons, o trabalho nas fases anteriores já se encarregou de adquirir os links mais simples e seu posicionamento, possivelmente como referência na área, lhe garantirá os links orgânicos necessários para manter o perfil de links dentro da normalidade.

O trabalho nessa fase se concentrará em conseguir menos links com mais qualidade, pois o volume já foi conseguido e se realimenta. Todos os fatores de qualidade da página onde buscará os links são importantes, o texto âncora passa a ser muito mais importante, a medida que consegue links mais fortes, pois os impactos desses links são muito grandes. Agora, só importam links muito específicos e apontando exatamente para a página que você precisa rankear para cada termo.

Essa é a fase mais complicada, que vai demandar mais capacidade de negociação e, em alguns casos, o argumento será financeiro. Porém, para alguns termos com concorrência não muito grande, poderá ser menos representativo e, as vezes, até desnecessário.

Alguns lugares para conseguir links nesta fase:

  • Veja de onde vêm os links para as 30 páginas melhores posicionadas para os termos que deseja.
  • Tente conseguir links nas próprias páginas bem posicionadas.
  • Posts em blogs com muita autoridade no nicho pretendido.
  • Sites de notícia, que possuam muita relevância.
  • Criar hotsites específicos para os termos e usá-los para linkar suas páginas

Algumas dicas finais

  • Não tenha pressa para mudar de fase, faça tudo que for necessário em uma e aguarde os resultados para partir para a próxima.
  • Crie conteúdo que as pessoas queiram linkar, pois se ficar só nos links criados, seu perfil de links não parecerá natural e pode acabar com eles desvalorizados.
  • Muitas vezes será mais fácil conseguir vários links em páginas mais ou menos do que um em uma excelente, pese o custo / benefício.
  • Evite ser repetitivo, tanto no tipo de link, quanto no texto âncora, misture as coisas para parecer mais natural.
  • Distribua bem os links ao longo do tempo, muitos links em um espaço curto de tempo para um site novo sempre será suspeito.
  • Não custa repetir, que PageRank não deve ser levado em consideração, por dois motivos: PageRank muda (em geral para cima) e o número que é exibido na barra de ferramentas ou qualquer outra ferramenta, está sempre desatualizado.
  • Seja consistente na maneira como linka seu site, se usar http://www.brpoint.net/, use sempre isso, não use outras versões, como http://brpoint.net.

Página 1 de 5123...Última »
Usando WordPress | Design por Elegant Themes